Arte na Praça V

O quinto evento da quinta edição do Projeto ARTE NA PRAÇA ocorrerá neste sábado, 11 de março, na Praça das Artes Teodoro Freire de Sobradinho, a partir das 17h, prometendo novo recorde de público, como já correu nos quatro eventos anteriores, que atraíram milhares de pessoas.

A festa começa sempre com o aulão de dança da professora Karol Thayná, considerada uma das melhores dançarinas de dança do ventre do Brasil; vencedora do concurso Mercado Persa 2018, em São Paulo; e diretora do Espaço Cultural KT.

Neste horário, também, as barracas da Praça de Alimentação já passam a servir água, refrigerantes, sanduíches, caldos, churrasquinho, peixe e comidas diversas, a preços convidativos. Outra opção é visitar a Feira de Artesanato, com produtos manuais e utensílios domésticos, além de mudas de plantas ornamentais e frutíferas.

Às 18h, será a vez do DJ Hool Ramos acionar as pickups do seu Clube do Vinil, numa interessante oficina que transmite conhecimentos de estilos musicais; operação de equipamentos; técnicas de mixagem (básica e avançada); e orientações para iniciar no mercado de trabalho. Todas as oficinas são gratuitas.

A partir das 19h30h, começam as atrações musicais. Este sábado, 11 de março, será “Dia de Rock”, pois quem ocupará o palco do ARTE NA PRAÇA será o roqueiro, compositor e instrumentista Dom Macarius e banda.

DOM MACARIUS

Dom Macarius – que é Ângelo Macarius e já foi Lotus Negro e Macarius Fusion – tem uma extensa carreira nos palcos do DF. Ele é um dos roqueiros brasilienses que ocuparam o vácuo deixado por Renato Russo e a Legião Urbana.

Macarius traz em seu sangue DNA musical de alto linhagem: ele é filho do guitarrista e multi-instrumentista Renato Piau, que acompanhou o cantor Luiz Melodia em sua brilhante trajetória na MPB.

O roqueiro brasiliense foi contemplado, em 2014, com o Prêmio Cássia Eller, pelo Fundo de Apoio a Cultura – FAC, para a gravação do seu primeiro CD solo: Ângelo Macarius – O Andarilho, lançado em show na Livraria Fenac do Park Shopping, aqui em Brasília, e no Festival Namastê, na Torre Digital, no ano seguinte.

Em seguida, lançou o EP Self-se Quem Puder, com as faixas Pau Pereira (Luciano Bispo) e Self-se quem puder, em parceria com Thuyan Santiago.

Ainda em 2015, por meio da votação popular do Festival Satélite 061 – Evento Cultural, com patrocínio da Petrobras e realização da Ossos do Oficio Produções, apresentou-se na quarta edição do festival, na Torre de TV.

Palcos do DF

O reconhecimento pelo seu trabalho atingiu todo o DF e, em 2016, ele apresentou-se no Festival Rock Ecologia, na Ceilândia. No ano seguinte, com sua banda Macarius Fusion, fez show na Casa de Cultura do Guará. Dois anos depois ele e a Macarius Fusion apresentaram-se em diversos palcos do DF, nos projetos Temos Nosso Próprio Tempo e Clube Na Nossa Esquina, recebendo diversos convidados da cena artística brasiliense.

No ano seguinte, 2019, veio o EP Cuidado Com o Andor e os clipes – Procurando por Deus e Pau Pereira. A Macarius Fusion participou com duas faixas da coletânea Capitão Retz e A Nau dos Piratas e shows no Ceará Carne de Sol, Cerrado Goumert e Mercado Sul Vive. Toda esta trajetória trouxe ao músico brasiliense prêmios e reconhecimento da mídia e ele partiu para novas experiências, como a criação de trilhas sonoras e atuação como ator. Dirigiu as trilhas sonoras para os curtas-metragens Homilia, O Duplo e Fausto, todos do diretor José Campos, e Expresso, dirigido por João Lucas Braga.

Como produtor cultural, Macarius atuou na produção dos eventos O Buraco da Fechadura – 1ª Edição”; “festival de Filmes Curtíssimos – 2ª Edição”; Rachando A Panela e Calungas Rock Fest.

Como ator participou do filme O Radar, dirigido por Marisa Mendonça, que no ano de 2020 representou o Brasil no Festival Internacional de Cinema de Quito, no Equador.

O músico já atuou, também, como produtor executivo deste mesmo Projeto ARTE NA PRAÇA, onde ministrou oficinas intituladas Roteiro, Narrativa e Formatação na Área Musical e, em 2019, chegou à presidência da Associação Artise de Arte, Cultura e Acessibilidade.

Lotus Negro

A trajetória musical de Dom Macarius, no entanto, começou em 1998, quando ele fundou a banda Lótus Negro, com a qual se apresentou na Galeria Vincent Van Gogh, na abertura da exposição Os Sete Pecados Mundiais; na Feira da Lua; e no palco da Escola Técnica de Brasília.

A Lótus Negro apresentou-se, também, na Feira de Música Estudantil de Sobradinho; no Underground Rock Fest e na festa de aniversário da Cidade Serrana. Tudo isso no ano de 2000, quando teve a sua primeira composição gravada no CD Conexão Carioca 2, produzido pelo poeta Euclides Amaral para o Selo Guitarra Brasileira, com texto de apresentação do crítico Ricardo Cravo Albin. Neste álbum, ele interpretou a faixa de sua autoria, Alguém.

Em 2001, Macarius e a Lótus Negro, que era composta por Diógenes The King (guitarra), Paulo Lótus (guitarra) e Huganja (baixo), lançou o CD “Prelúdio” com as faixas Drop out; O eremita; Nada a ver; Favela do DNox; Suzzanna; Urubu e Sabá, todas de autoria dos seus integrantes.

Neste mesmo ano, a Lótus integrou a coletânea Demolição 2, com as faixas Drop out (Angelo Macarius); Favela do DNox (Ângelo Macarius e Diógenes The King) e Sabá, de Ângelo Macarius e Paulo Lótus, e participou novamente do show de aniversário de Sobradinho; de shows na Feira da Lua; e do evento Rock em Vermelho.

Ainda em 200,1 fez show solo no Clube dos Diários, em Teresina, no Piauí, em dupla com o cantor e compositor Hagamenon Jr, e apresentou-se no bar Recanto dos Poetas, na mesma cidade.

Em 2003, com a banda Lótus Negro, classificou-se para as eliminatórias do “Festival Rolla Pedra” e montou o espetáculo “Drop out show”, no clube Bancrevea, em Sobradinho.

Química Fatal

No ano seguinte, a Lótus lançou o segundo CD do grupo, intitulado Thomo 1 e montou o espetáculo Rock and Roll all Night, no Espaço Cultural PT e participou do Primeiro Encontro Cultural da Juventude de Sobradinho. Em 2005, a banda foi incluída na coletânea Química Fatal, interpretando quatro faixas de autoria de seus integrantes.

Em 2006, Macarius e a Lótus Negro fizeram show de abertura do grupo paulistano de rap Racionais MC’s, no Camping Show do Plano Piloto; participou do evento Pedras Rolam na Serra, no Serra Shopping, de Sobradinho, e do Tributo à Nirvana, no Blues Pub, de Taguatinga.

Em 2008, ainda na banda Lótus Negro, apresentou-se nos eventos 5 Moto Capital, na Concha Acústica de Brasília; na “Festa de Aniversário do Kafas – Camping Show”, e no Espaço Quinta Asbac, no evento “Aniversário do MC Lobo Negro”, no palco do Estacionamento do Parque de Exposição da Granja do Torto, no Distrito Federal, além do Bar TBone, dividindo palco com o Duo Perdurabo, na Quadra 313, da Asa Norte.

Em 2010, ano em que se afastou da banda Lótus Negro para seguir carreira solo, fez vários shows, entre os quais no Espaço 21, na Feira do Piauí; no Espaço Cultural T-Bone e no Flórida Mall, além de casas noturnas de Goiânia e Teresina. No ano seguinte, em 2011, montou o show solo Órficas canções, no Espaço Flórida Mall e o espetáculo O Buraco da Fechadura, em Sobradinho.

Em 2012 sua composição Mistura, em parceria com Athan Pinho, foi incluída no CD infantil onde está o Saci? da Banda Jenipapo.

Neste mesmo ano, apresentou-se no Projeto Quadrilátero Crulls, em Sobradinho e fez o show Dissidente? em vários palcos. Em 2013, participou como convidado do DVD Palíndrimas, de Renato Matos.

É este artista, talentoso e multifacetado, que Sobradinho vai receber, neste sábado, 11 de março, na Praça das Artes Teodoro Freira, a partir das 19h30.

Por José Edmar Gomes, Foto: Divulgação