O presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia, e representantes do setor produtivo da cidade, entregaram ao governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), em reunião nesta quinta-feira (23), no Palácio do Buriti, um plano para auxiliar na reabertura do comércio da capital do País.

O documento foi elaborado após ouvir empresários, secretários de Estado e sindicatos de vários segmentos econômicos. Francisco Maia explicou que a intenção é ajudar o governo e os empresários a reabrirem o comércio de forma segura, gradualmente, seguindo normas como: uso de máscara e álcool em gel, distanciamento entre as pessoas e outros pontos específicos de cada atividade.

O plano apresentado traz propostas de como cada segmento do comércio deve se portar após a reabertura, prevista para maio. “No setor de beleza, por exemplo, sugerimos que os atendimentos sejam realizados apenas com agendamento, para evitar aglomerações nos espaços.

Acredito que seja melhor ter esse retorno mais cauteloso e orientado, do que o comércio continuar fechado, gerando prejuízos e aumentando o número de desempregados na cidade, que já é alto”, destaca o presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia.

Já no comércio varejista, que inclui os shoppings da cidade, a sugestão é que a abertura seja feita em horários específicos, para que o tráfego de clientes e profissionais não coincida com o pico de movimento do transporte público. Além disso as orientações são no sentido de que as portas das lojas estejam sempre abertas e os espaços ventilados, que haja boa higienização, que seja feita aferição de temperatura de todos os funcionários, entre outras diretrizes. Atualmente, o DF conta com 20 shoppings, em que 2,4 mil lojas geram cerca de 20 mil empregos.

“A reabertura gradual do comércio é uma oportunidade de recomeçarmos. Quando tudo isso passar viveremos uma nova realidade. O mundo inteiro mudou. Os protocolos de saúde devem ser atendidos e compreendidos pelos empresários, sob pena de o comércio fechar as portas novamente”, ressalta Francisco Maia.

Para bares e restaurantes, um dos segmentos mais afetados pelo fechamento, as diretrizes sugeridas são: funcionamento de 50% da capacidade do estabelecimento, abertura em horários específicos, limitação de acesso, uso de máscaras pelos funcionários, além da necessidade de se manter a porta sempre aberta, entre outras medidas.

As sugestões foram levantadas, organizadas e entregues ao governador capitaneadas pela Fecomércio, que reuniu propostas do Sebrae-DF, Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Fibra (Federação das Indústrias), Fape-DF (Federação da Agricultura e Pecuária do Distrito Federal) e Faci-DF (Federação das Associações Comerciais e Industriais do DF).

Conscientização

As entidades também realizarão uma campanha no sentido de conscientizar a população da cidade. Serão veiculados vídeos e peças educativas nos principais veículos de comunicação de Brasília para orientar os funcionários, empresários e consumidores a terem uma conduta segura no comércio. O conceito da campanha é: Juntos Como Nunca. Confiantes Como Sempre. A mensagem procura incentivar práticas de higiene e um recomeço seguro para todos.

Fonte: Daniel Alcântara / Fotos Divulgação