O ator Andrade Junior morreu na madrugada deste sábado (4/5), aos 74 anos, em sua casa aqui em Sobradinho, onde morava há décadas. A informação foi divulgada pela filha dele Cássia Andrade nas redes sociais. “É com imenso pesar e coração muito sofrido que venho lamentar o falecimento do meu querido pai Andrade Junior. Sou pura gratidão por esse pai amoroso e alto astral, escreveu. A causa da morte ainda não foi informada, no entanto, especula-se que foi infarto.

“Eu não conseguia imaginar meu pai velhinho, debilitado… Hoje sei o porquê! Porque esse não era mesmo pra ser o seu caminho. Sempre com muita energia, sua partida não poderia ser outra além dessa repentina. Pai, em meu coração você é eterno e irei caminhar agora com toda a bagagem que me deixou. Te amo! Ainda não temos informações maiores sobre velório, assim que tivermos, comunico por aqui, pois sei que muitas pessoas irão querer se despedir”, completou a filha dele em publicação no Facebook.

Nas redes sociais, pessoas ligadas ao cinema e ao teatro de Brasília lamentaram a morte do ator. O cineasta Nirton Venancio foi um deles. “Sábado amanhece triste em Brasília com a morte do ator Andrade Junior. Onipresente nos filmes, onipresente em nossos corações… Oh, indesejada das gentes, pisa devagar”, publicou.

O autor de teatro Sérgio Maggio também se pronunciou após saber da morte do ator. “Acabei de receber a triste notícia da passagem desse querido ator Andrade Junior, o homem que mais fez cinema do DF”, escreveu.

O ex-secretário de Cultura do DF, Guilherme Reis, usou as redes sociais para se despedir: “O Andrade Junior deixará todos nós com muitas saudades. A vida é curta e intensa. Perdemos um grande amigo, amigo de tanta gente, um companheiro amoroso, um grande ator. Perdemos a presença feliz do Andrade”.

No ano passado, o veterano ator comemorou 50 anos de carreira, trilhada nos palcos de teatro e no cinema. No currículo, Andrade Junior tem mais de 70 filmes.

Ator autodidata, Andrade Junior ajudou a construir as artes cênicas do DF. No cinema encontrou um lugar de mestre, cultuado, sobretudo, pela novíssima geração de jovens aspirantes a cineastas. “Os  jovens gostam mais de mim do que os mais velhos. Ainda bem. É bom. Mas eu era do teatro. Cinema começou há pouco tempo aqui em Brasília”, Correio Braziliense, com adaptação.