A obra já passou pela fase de fundação do solo e construção dos pilares que dão sustentação ao elevado

As obras do Viaduto do Itapoã/Paranoá seguem avançando: a estrutura em concreto está concluída e, atualmente, ocorre a escavação da trincheira e terraplanagem das alças de acesso. Com aporte de R$ 33 milhões e executada pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF), a nova passagem substituirá o balão de entroncamento das rodovias DF-001 e DF-015.

O elevado deve solucionar os recorrentes engarrafamentos que havia na região, sobretudo em horários de pico

“Após a escavação, serão executados os serviços de terraplanagem, drenagem, pavimentação das vias e alças de acesso, construção da ciclovia e instalação da sinalização”, revela o engenheiro civil e diretor do 1º Distrito Rodoviário de Planaltina, Kênio Márcio Avelar.

A obra já passou pela fase de fundação do solo e construção dos pilares que dão sustentação ao elevado. A escavação é feita no modo invertido, técnica também utilizada no Túnel de Taguatinga. O material obtido é categorizado como argiloso e será reutilizado na terraplanagem das vias.

O viaduto terá dois níveis: o de baixo, com acesso entre Sobradinho e a Barragem do Paranoá, e o de cima, entre a região de condomínios e o Lago Norte. Tanto a parte de baixo quanto a de cima terão três faixas em cada sentido. Além disso, haverá nove alças de acesso para o viaduto – três já estão executadas.

Com investimento de R$ 33 milhões, o viaduto substituirá o balão de entroncamento das rodovias DF-001 e DF-015 | Fotos: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

O elevado deve solucionar os recorrentes engarrafamentos que havia na região, sobretudo em horários de pico. Cerca de 30 mil motoristas serão beneficiados com a empreitada, tanto moradores do Itapoã e Paranoá, como de Sobradinho, Planaltina e redondezas. A construção é executada por um consórcio de empresas terceirizadas e gerou 400 empregos.

O comerciante Edvon Ribeiro, 48 anos, acredita que a estrutura viária mudará o trânsito na região “da água para o vinho”. “Já tivemos muitos problemas aqui, muitos acidentes e até morte”, conta. “Com esse viaduto, teremos saída para o Colorado, para os condomínios, para o Lago Sul, para o Lago Norte… Esse viaduto está chegando na hora certa”, ressalta.

Morador do Itapoã desde 2001, o comerciante Alexandre Cordeiro, 46, é outro morador que aprova a construção do elevado. “De fato, causa um pouco de transtorno, mas tudo é para melhorar a região. O governo está de parabéns por essa infraestrutura que está sendo construída”, afirma.

Fonte: Catarina Loiola, da Agência Brasília , Edição: Carolina Lobo