Realizar uma graduação no Brasil, ainda é privilégio de poucos. Apenas um quinto dos jovens de 18 a 24 anos estão cursando faculdade. Segundo o IBGE, a maioria dos jovens dessa idade (42%) concluiu o ensino médio, mas não seguiu os estudos. Os que não frequentam a universidade nem concluíram o ensino médio são 19%.

Acredita-se que com a expansão ainda maior de cursos na modalidade EAD esse quadro melhore e com isso, mais pessoas possam iniciar uma graduação e ascender socialmente através da qualificação universitária.

Em um mercado sempre em expansão, novos cursos estão surgindo, e a modalidade EAD desponta como preferência dos profissionais que já atuam no mercado e desejam melhorar sua renda e/ou crescer profissionalmente.

Na contramão desse crescimento, o número de trancamentos nas universidades públicas quase dobrou devido ao forte impacto decorrente da pandemia. Entre 2019 e 2020: os trancamentos passaram de 186 mil para 345 mil, o número de alunos que interromperam os estudos. Espera-se que boa parte desses alunos migrem para a modalidade EAD.

Estudar na modalidade EAD, pode ser o trampolim que as pessoas precisam para ingressar no mercado de trabalho cada vez mais competitivo e ávido por profissionais qualificados. Para o empresário Rogério Bruno, há oferta de vagas de trabalho, o que falta é qualificação.

Serviço:

Centro Universitário  UNIFAEL 

61 30510101

61 981359999 (Whatsapp)

End: Quadra 6 Ed. Lions, Sub-Solo – Sobradinho-DF (ao lado do NA HORA)

Fonte: https://piaui.folha.uol.com.br/faculdade-de-longe-e-sem-financiamento/

¹ Montagem a partir de imagens coletadas no site da revista piaui.folha.uol.com.br e seus autores Eduardo Chaves, Luigi Mazza e Renata Buono