Profissionais da UBS 4, de Sobradinho, aliam saúde e bem-estar às cores, dança e músicas da comunidade Rota do Cavalo

A rotina da equipe da Unidade Básica de Saúde (UBS) 4 de Sobradinho se enche de cores e sons quando é dia de atendimento na comunidade cigana Nova Canaã, que adotou o Distrito Federal como lar há exatos cinco anos.

 

Em meio às lonas, fixadas na Rota do Cavalo, área rural de Sobradinho – distante cerca de 30 km da Rodoviária do Plano Piloto – nove profissionais da Secretaria de Saúde são responsáveis pelos atendimentos e pela melhoria na qualidade de vida de 15 famílias ciganas.

Delcir e os netos: agradecida – Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF

A chegada dos servidores ao acampamento de terra batida é motivo de alegria. As visitas são rotineiras e o tipo de assistência prestada é diversificado – o que inclui orientações de saúde e o olhar diferenciado que a Atenção Primária tem sobre o paciente.

 

Delcir Alves da Silva, mãe e avó de herdeiros da tradição cigana, estava muito feliz e grata com o atendimento. Para ela, muita coisa mudou: “Antes, precisávamos nos deslocar grandes distâncias para buscar atendimentos para as nossas crianças. Hoje, temos atendimento na nossa porta”.

 

Com uma alegria contagiante, a pequena cigana Sayuri Silva Rocha, de 9 anos, estava atenta aos novos ensinamentos e feliz por aprender como cuidar do seu belo sorriso. Para Sayuri, ter um sorriso saudável faz parte do encanto e da alegria que transmite em suas danças ciganas. “Tenho orgulho da dança e da nossa tradição”, destaca a menina.

Foto: Mariana Raphael/Secretaria de Saúde-DF

 

Na visita desta semana, educação em saúde bucal e estímulo ao autocuidado, com a participação de residentes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Durante o atendimento, teve aplicação de flúor, distribuição de kits de higiene bucal e triagem das crianças para atendimento individualizado.

 

A aproximação dos serviços de saúde com a comunidade cigana é reforçada a cada ação realizada nas lonas, onde vivem 72 pessoas.

 

“Fortalecer o vínculo entre a equipe da UBS e a comunidade é um dos propósitos dessas ações”, destaca a psicóloga da Gerência de Atenção à Saúde de Populações em Situação Vulnerável e Programas Especiais da Secretaria de Saúde, Christiane Viana Silva.

Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF

 

A Região de Saúde Norte, onde o acampamento está inserido, possui cobertura de 96% da população pela Atenção Primária. Em todo o Distrito Federal, há 599 equipes atuando – das quais 386 encontram-se completas, de acordo com os dados alimentados pelas gerências de planejamento, monitoramento e avaliação de cada região.

 

 

Temos muito a agradecer, pois sentimos que, agora, os nossos direitos estão vindo às nossas famíliasWanderley Roch, líder da associação cigana

 

A comunidade cigana chegou à capital por volta de 1974.  Hoje, a maior parte dos moradores tem laços familiares. Até meados de 2014, levavam uma vida nômade, mas decidiram fixar-se na Rota do Cavalo, em Sobradinho. As 15 famílias vivem em tendas de lona e buscam transmitir e manter a tradição e a cultura cigana no Distrito Federal.

 

Tudo sso é uma grande conquista, pois aprendemos a nos cuidar e, assim, prevenimos doenças e conquistamos qualidade de vida”, avalia o líder da Associação Cigana Wanderley Roch, ao destacar que, desde que chegaram à região, recebem atendimento da equipe da UBS 4.

 

Com informação da Secretaria de Saúde-DF