Governo reforça parcerias para acelerar o ritmo da imunização e prevê aplicação de 200 mil doses de D2 em julho

A Secretaria de Saúde espera vacinar 200 mil pessoas com a segunda dose da vacina contra a covid-19 em julho. A meta foi anunciada em coletiva de imprensa, no Palácio do Buriti, na tarde desta quinta-feira (1º) pelos secretários da Casa Civil, Gustavo Rocha, e de Saúde, Osnei Okumoto.

Para aplicar a D2 em quem já tomou a primeira dose, o GDF espera contar com ajuda dos administradores regionais para incentivar a população a completar a imunização, que só ocorre após a aplicação de duas doses.

Secretários de Saúde, Osnei Okumoto, e da Casa Civil, Gustavo Rocha, em coletiva nesta quinta (1º): GDF vai cumprir recomendação do MP e, a partir de agora, vacinará moradores do DF apenas por idade | Fotos: Joel Rodrigues/ Agência Brasília

O secretário da Casa Civil, Gustavo Rocha, afirmou que o GDF vai cumprir a recomendação do Ministério Público e, a partir de agora, vacinará os moradores do DF apenas por idade. Segundo ele, será mantida a vacinação de categorias profissionais que já iniciaram a imunização, como profissionais de saúde.

“Queremos aplicar a quantidade máxima de D2 que temos armazenadas”

Osnei Okumoto, secretário de Saúde

Gustavo Rocha ressaltou a necessidade de agendamento, que será mantido. “Com o agendamento, as doses estão garantidas para determinadas pessoas e isso evita filas e aglomerações”, afirmou. O gestor explicou ainda que o GDF não vai esperar doses suficientes para abrir a vacinação para determinada faixa etária. “O agendamento será aberto de acordo com as doses disponíveis naquele momento”, disse.

O secretário de Saúde, Osnei Okumoto, contou que haverá uma reunião na semana que vem com os administradores regionais para discutir estratégias que levem os moradores do DF a aderir à vacinação. “Queremos aplicar a quantidade máxima de D2 que temos armazenadas”, afirmou Osnei Okumoto.

A taxa de transmissão no DF está em 0,89 e se mantém abaixo de 0,90 há três dias. Além disso, temos 7.285 casos ativos, a média de novos casos dos últimos sete dias está caindo e a lista de espera de leitos de UTI está zerada

Segundo o secretário, o índice de pessoas que não procuram a vacinação chega a 30% em alguns lugares no mundo. “Aqui no DF, calculamos que esse percentual chega perto de 10%”, afirmou.

Quadro de vacinação

De acordo com o vacinômetro, a Secretaria de Saúde já distribuiu 399.430 doses de D2 para as sete regiões de saúde do DF, e 88,87% delas (399.713) foram aplicadas. O percentual de pessoas vacinadas com as duas doses, porém, chega a 11,63% da população.

Segundo o secretário da Casa Civil, Gustavo Rocha, 100% das doses distribuídas como D1 foram aplicadas no DF. A Secretaria de Saúde recebeu 1.108.000 doses, 1.024.000 foram distribuídas. Constam como vacinadas 983 mil pessoas e há cerca de 40 mil fichas de pessoas que foram vacinadas e que ainda não foram lançadas no sistema.

O secretário ainda apresentou dados que mostram que a pandemia está sob controle no DF. A taxa de transmissão está em 0,89 e se mantém abaixo de 0,90 há três dias. Além disso, o DF tem 7.285 casos ativos, a média de novos casos dos últimos sete dias está caindo – foram 762 nesta quinta-feira (1º) – e a lista de espera de leitos de UTI está zerada: há 61 vagos e cinco pessoas aguardando resultado de exames. Há ainda 134 leitos de suporte ventilatório vagos.

Estratégia compartilhada

Nesta sexta-feira (2), a Secretaria de Saúde vai se reunir com os presidentes dos conselhos de saúde, com os diretores de atenção primária das regiões de saúde norte, sul, sudeste e centro-sul e com os administradores dessas cidades para discutir a vacinação dos moradores das regiões vulneráveis do DF e a melhor maneira de atender as pessoas que não têm acesso à internet para fazer o agendamento.

“Essas pessoas serão avisadas por carros de som e rádios comunitárias de que estaremos com um posto volante na região fazendo a vacinação daqueles que tiveram dificuldade de agendamento”, disse o secretário de Saúde.

Fonte: GIZELLA RODRIGUES, da Agência Brasília, Edição: ROSUALDO RODRIGUES