O médico foi o criador da ala pediátrica do Hospital de Sobradinho

Gerações de brasilienses, hoje adultos, que receberam os cuidados do pediatra Antônio Márcio Junqueira Lisboa, lamentam a sua morte, ocorrida na madrugada de domingo, vítima de infarto. O médico, de 94 anos, que dedicou parte da vida à formação de outros profissionais, era natural de Leopoldina MG), chegou em Brasília em 1967, vindo do Rio de Janeiro, cidade em graduou-se e já atuava. Ele formou-se na Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil (RJ).

“Ele veio para cá a convite da Universidade de Brasília, deixando para trás uma grande clínica no Rio, em que trabalhava tanto, que mal conseguia ver os filhos”, disse o seu primogênito, que também se chama Antônio Márcio.

Na UnB, Antônio Lisboa atuou por 25 anos, mas não foi essa sua única contribuição à saúde pública do Distrito Federal. O Dr. Lisboa foi o responsável pela criação da ala pediátrica do Hospital de Sobradinho, que serviu para a formação de profissionais que se especializaram no tratamento de crianças no DF. Na rede pública, ele também trabalhou no Hospital de Taguatinga. Entre os hospitais particulares, passou, entre outros, pelo Hospital Santa Lúcia. Antônio Márcio foi presidente das sociedades Brasileira e Brasiliense de Pediatria.

Dentre suas pesquisas mais relevantes, destacam-se: Síndrome de Angústia Respiratória Idiopática do Recém-Nascido, desenvolvida no Hospital dos Servidores do Estado (RJ), em 1964; Benefícios da Internação Conjunta de Mãe e Filho em Enfermarias de Pediatria, na Unidade Integrada de Saúde de Sobradinho, publicada na Revista Courrier, Paris, 1969, e incorporada ao Estatuto da Criança e do Adolescente; e Ensino Holístico da Medicina, de 2017.

Somente no início da pandemia de coronavírus, Antônio Márcio deixou de atender pacientes em seu consultório, mas não se aposentou por completo. Ele gostava de escrever. Era um dos articulistas do Jornal de Brasília. Todas as quintas-feiras escrevia para o jornal sobre assuntos diversos, com destaque para política. O último artigo para o jornal, publicado no 10 de junho, tratava da disseminação da indisciplina no Exército, promovida pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, com a pressão sobre a Força para a não punição do general Eduardo Pazuello.

O pediatra também publicou um livro, no qual orientava as mães nos cuidados com seus filhos. O título “Seu filho no dia a dia. Dicas de um pediatra experiente”, reuniu artigos publicados semanalmente na imprensa. O livro pode ser encontrado na Amazon e na Estante Virtual, plataformas de venda on-line. No momento ele estava preparando outro livro, mas desta vez era sobre política, sua opinião sobre o Brasil atual.

Mas a vida em Brasília não foi só de sucesso profissional. Em 1976, a esposa Terezinha morreu, vítima de um atropelamento. Ele ficou viúvo com quatro filhos, Antônio Márcio, Antônio Carlos, Márcia Tereza e Cláudia Tereza. Mais tarde o médico casou-se com Bete, e teve mais um filho, Luís Felipe, que hoje tem 45 anos, a quem Antônio Márcio chama “nosso irmãozinho”, devido a diferença de idade de mais de 20 anos entre eles.

O Conselho Regional de Medicina (CRM-DF) emitiu nota de pesar:

Lamentavelmente, o CRM-DF informa o falecimento do médico pediatra Antônio Márcio Lisboa (CRM/DF 527).⠀

O profissional foi um dos fundadores da Faculdade de Medicina de Brasília e é reconhecido nacional e internacionalmente.

Em seu currículo, constam diversos prêmios, certificados e mais de 15 livros publicados.⠀

O CRM-DF agradece por todo o trabalho do Dr. Antônio Márcio Lisboa na medicina do Distrito Federal.⠀

O Conselho também se solidariza com os familiares, amigos e toda a classe médica neste momento de dor.

Fonte: Catarina Lima/ Jornal de Brasilia