Para parlamentar, mais importante que falar sobre assunto é pessoas demonstrarem cuidado com pessoas próximas e praticarem voluntariado em instituições como o Centro de Valorização da Vida, o CVV

O deputado João Cardoso (Avante) aproveitou a sessão plenária do último dia 2 de setembro para alertar parlamentares e comunidade do DF quanto a necessidade e conveniência mais que nunca da campanha Setembro Amarelo. “A procura pelo CVV aumentou 10% desde o início da pandemia. A depressão está entre as 3 doenças do mundo que mais matam segundo a OMS. Mais do que falar precisamos de atitudes. Acredito que muitos de vocês possuam pessoas próximas na família que sofrem deste mal e que precisam da nossa ajuda e apoio”, defendeu o parlamentar.

⚠️FIQUE ATENTO AOS SINAIS DE ALERTA⚠️

  • Falar sobre querer morrer, não ter propósito, sentir-se um peso para os outros, sentir-se preso ou sob dor insuportável;
  • Uso abusivo de álcool e drogas;
  • Agir de modo ansioso, agitado ou irresponsável;
  • Dormir muito ou pouco;
  • Sentir-se isolado;
  • Demonstrar raiva ou falar sobre vingança;
  • Ter alterações de humor extremas

🌼O QUE FAZER? 🌼

  • Não deixe a pessoa sozinha;
  • Tire de perto armas de fogo, álcool, drogas e/ou objetos cortantes;
  • Leve a pessoa para uma assistência especializada;
  • Ligue para os canais de ajuda como o CVV, pelo número 📲188 ou Grupo Bate-papo, de Brasília: renatam@sesdf.com.br

Via Ana Helena Melo – CLDF

Condomínios horizontais já podem solicitar coleta interna ao SLU

Já foram 50 processos abertos pela ouvidoria do GDF solicitando o serviço oferecido pelo SLU

Dois condomínios horizontais do DF já contam com o serviço de coleta interna de resíduos realizado pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU): Jardim Botânico VI e Residencial Park do Gama. A mudança na prestação de serviço, antes realizada por empresa contratada pelo próprio condomínio, ocorre depois da aprovação da Lei 6.615, de autoria do deputado João Cardoso, de 04 de junho de 2020, que autorizou a coleta de resíduos nos condomínios horizontais pelo SLU.

A síndica do Residencial Park do Gama, Sheila Veras, explica que o serviço é uma reivindicação antiga dos condomínios. Ela conta que a operação começou na semana passada. “Na quarta-feira vieram fazer um teste. Deu tudo certo e aí, na sexta-feira, já iniciamos a coleta oficialmente, que será sempre às segundas, quartas e sextas, pela manhã. Será uma grande economia para o condomínio, porque pagávamos um valor alto para a empresa que fazia esse serviço”, explicou.

Até o momento, de acordo com a Ouvidoria do SLU, 70 processos já foram abertos referentes à coleta de resíduos nos condomínios horizontais. Desse total, 50 foram solicitações para realização de coleta interna e 20 foram para informar a escolha pela permanência da coleta apenas externa.

A lei que autorizou a prestação do serviço foi regulamentada pela Instrução Normativa nº 10, de 04 de julho de 2020, e depois atualizada pela nova Instrução Normativa nº 13, de 14 de agosto de 2020. As mudanças foram promovidas para facilitar o acesso ao serviço.

“Inicialmente, os gestores dos condomínios precisavam enviar um e-mail ao protocolo para abrir um processo. Agora, a solicitação é feita pela ouvidoria, o que facilita todo o acompanhamento do processo, inclusive permite uma avaliação do serviço prestado”, explicou o ouvidor do SLU, Bruno Marques.

O prazo médio entre a solicitação do condomínio até a realização da vistoria é de 08 dias úteis. A vistoria, segundo Bruno Marques, serve para que o SLU verifique in loco as condições de trafegabilidade das ruas dentro do condomínio, a disponibilização de lixeiras nas casas e outras condições que interferem na prestação do serviço. Após a vistoria, as gerências de limpeza acionam as empresas para que apresentem um plano de operação incluindo o condomínio no calendário de coleta.

A solicitação do serviço deve ser registrada no Sistema de Ouvidoria do Distrito Federal , enviando as informações solicitadas pelo site da Ouvidoria. Lá, o gestor do condomínio deverá selecionar a opção “Solicitação”. Em seguida, clicar no assunto “Coleta convencional de resíduo” e, depois, em “Inclusão do ponto para a coleta convencional”.

Caso o condomínio ou loteamento análogo possua arquivo georreferenciado da área e/ou localização nos formatos indicados pela instrução normativa, deverá enviá-los para o e-mail do Núcleo de Documentação do SLU.

É importante destacar que mesmo o condomínio que não tenha interesse na coleta interna, ainda assim deve enviar ao SLU as informações requeridas e informar sua opção pela coleta pública em contêineres localizados na área externa próxima ao condomínio.

Via Agência Brasília com informações do SLU

Prazo de concurso público no DF será suspenso até 31 de dezembro de 2021

Pela segunda vez, projeto de autoria do Governo do Distrito Federal precisou receber ajustes antes de seguir para sanção do governador

 
No último dia 19 de agosto a CLDF corrigiu mais uma vez o projeto para suspensão do prazo dos concursos públicos no Distrito Federal mediante emenda apresentada pelo deputado João Cardoso, que alterou a redação estabelecendo a interrupção até 31 de dezembro de 2021.

A versão da proposta votada no dia anterior pela Câmara determinava fim do prazo de suspensão com o termino do estado de calamidade causado pela pandemia do novo coronavírus. Para o deputado João Cardoso, autor da emenda, a mudança garante mais tempo e mais segurança para candidatos nos concursos públicos. “Sou servidor público de duas carreiras e conheço bem a aflição de quem segue na expectativa de uma convocação de um concurso e que agora por conta da pandemia não só ficou suspensa mas corria o risco de com o vencimento do prazo do concurso nunca ocorrer. Acredito que a aprovação dessa lei sinaliza uma vitória e um conforto aqueles que aguardam ansiosos pela convocação”, avalia Cardoso.

O projeto aprovado é de autoria do Governo do Distrito Federal (GDF). A decisão do GDF de suspender os prazos é reflexo de lei complementar aprovada pelo Congresso, que impede aumento despesas com pessoal na pandemia do novo coronavírus. A norma foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Em caso de descumprimento, o ente federativo será penalizado com a suspensão de repasses orçamentários pela União. Segundo o governador, a nova lei impacta estados, municípios e o DF.

  “Estávamos num processo de convocar aprovados, mas agora poderemos apenas contratar os cargos surgidos por algum tipo de vacância, infelizmente, e não poderemos aumentar nosso efetivo”, pontuou o governador Ibaneis Rocha.

 
Via Assessoria de Imprensa – gabinete deputado João Cardoso, com informações do jornal Metrópoles

 

Lei torna obrigatória instalação de aviso para proteção de motoristas, cobradores e usuários do transporte público do DF

Publicada a lei que foi criada a pedido dos motoristas de ônibus do DF, a qual torna obrigatória a afixação de aviso na parte externa de todos os coletivos, cujo objetivo é o de facilitar a comunicação deles com usuários do sistema de mobilidade e protegê-los de possíveis assaltos

Parece um aviso simples, mas é de grande importância para os rodoviários brasilienses, e está na Lei 6.652/2020, de autoria do deputado João Cardoso, que foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal no último dia 26 de agosto, em atendimento a uma reivindicação dos motoristas de ônibus, que torna obrigatório a partir de agora a afixação, na parte externa dos coletivo, o aviso com a seguinte frase: “Este veículo conta com sistema de bloqueio de portas, que só abrem quando ele para.”

Foram leis similares que, quando adotadas em diversas localidades do país, tiveram o objetivo de difundir a cultura de alerta à comunidade em busca da redução de acidentes, como, por exemplo, o aviso afixado na parte externa dos elevadores alertando  aos usuários que “antes de entrar no elevador, verifique se o mesmo encontra-se parado neste andar”.

Segundo o autor da proposta, deputado João Cardoso, o intuito do aviso, é educar a comunidade para o uso adequado do sistema de transporte publico: “Sou filho de rodoviário e tenho filhos que utilizam o sistema de transporte público diariamente para irem à escola. Os ônibus se modernizaram, sobretudo no quesito segurança, mas é comum ainda o passageiro apressado dá aquela batidinha na lataria pedindo para descer em qualquer lugar, sem o conhecimento das novas tecnologias que impedem que isso aconteça. Temos infelizmente também os meliantes que exigem que os motoristas abram as portas do ônibus, mesmo com ele em movimento, para cometerem os seus assaltos, e acabam sendo violentos acreditando que os profissionais por vontade própria não querem abrir, sem saber que elas só abrem após o veículo encontrar-se parado”.

MAIS SEGURANÇA PARA OS RODOVIÁRIOS

Para Luís Cláudio da Silva, de 52 anos, rodoviário em Brasília desde 1982, a lei vem como uma conquista para os rodoviários. “Agradecemos por estarmos sendo ouvidos pelo deputado. Já fui assaltado três vezes durante toda minha carreira. Graças a Deus nenhum assalto foi violento, mas os meliantes podem até pensar duas vezes ao terem conhecimento sobre um aviso desses”, explica o motorista.

Por sua vez, Nilton Nóbrega, que já foi motorista de coletivo, está entre os auxiliares de João Cardoso que trabalha nos projetos de assistência e defesa da categoria dos rodoviários na Câmara Legislativa “Parece pouca coisa essa medida, mas não é. No nosso cotidiano essa sinalização faz toda a diferença. Fui motorista por muitos anos e o deputado tem em seu gabinete o José Onildes, que trabalhou como cobrador por muito tempo também, e sabemos bem que ações como essa podem reverter em benefício para a comunidade e para a segurança do sistema de transporte público. Vimos colegas levarem coronhadas na cabeça e até serem baleados pelo fato dos assaltantes acharem que eles estavam com má vontade ao não abrir as portas do ônibus”.

A lei está valendo e o distrital João Cardoso disse que não medirá esforços para fazer com que as empresas a cumpram, afixando nos ônibus o aviso que tem como finalidade primordial proteger as vidas de motoristas e cobradores.

Via Ana Helena Melo – CLDF