Com foco na preservação ambiental, a Semana do Cerrado do Lago Oeste traz diversas atrações educativas e apresentações culturais para conscientizar a população

Nas atividades, moradores do Lago Oeste cuidam do meio ambiente -  (crédito: Samara Maciel/Divulgação)

Nas atividades, moradores do Lago Oeste cuidam do meio ambiente – (crédito: Samara Maciel/Divulgação)

Quem ainda não foi, ainda dá tempo de aproveitar, hoje e amanhã, as atividades da Semana do Cerrado do Lago Oeste. É a terceira edição do evento, promovido pela Associação dos Amigos da Floresta (AFF) e a Associação dos Produtores Rurais do Lago Oeste (Asproeste). A programação começou no dia 11 de setembro, Dia Nacional do Cerrado, e contará com diversas atrações educativas e apresentações culturais entre hoje e amanhã (confira quadro), como objetivo de impulsionar a defesa e a valorização do bioma.

Integrante da Asproeste, Beth Bogéa, 45, diz que esse é o momento de atualizar como o cerrado se encontra em relação às queimadas. “Acontece na semana do Dia do Cerrado, assim conseguimos chamar a atenção para o que estamos debatendo”, conta. A moradora do Lago Oeste explica que é importante dar destaque ao bioma e angariar novos voluntários para ajudar na luta pela preservação ambiental. “Nossa ideia é que esse espaço seja um lugar de discussão intensa. Toda essa mobilização que fazemos é uma forma de protegermos a nossa região”, frisa.

Um episódio marcante com o avanço do fogo no Lago Oeste, fez com que o Instituto Cafuringa (ICAF) fosse criado. A vice- presidente do ICAF, Caroline Camilo Dantas, 36, lembra que em 2019 ela e seu parceiro foram combater um incêndio perto da residência deles no Lago Oeste. Ela lembra que eles estavam sem o equipamento de proteção e treinamento adequado. “O fogo chegava na porta de casa, a gente se viu obrigado a combater e nesse momento sofremos um acidente”, expõe. Seu parceiro, Paulo Lima, teve 40% de queimadura e diversos problemas decorrentes do fogo.

A moradora o Lago Oeste destaca que a região é uma região de cerrado nativo, que precisa ser preservado. “A exploração de recursos naturais de forma inadequada e os incêndios recorrentes têm sido responsáveis pelo desaparecimento de muitas espécies”, atesta. Caroline Camilo salienta que uma das motivações das associações é diminuir os impactos da degradação ambiental, principalmente através da educação ambiental e prevenção de incêndios. “Nós entendemos que o principal trabalho de combate ao fogo é a prevenção, por meio da educação ambiental e pelo Manejo Integrado do Fogo (MIF), muitas informações falsas sobre a interação do Cerrado e o fogo são difundidas. A educação ambiental é a ferramenta que pode trazer conscientização para a comunidade em seus territórios”, afirma.

Confira a programação

15/9 (sexta-feira)
» Asproeste, manhã e tarde
» Apresentação do espetáculo Música Reciclando com Junai
» Rod. DF 001, manhã e tarde
» Caminhada com os alunos da escola para recolhimento de Lixo na Ciclovia, entre as ruas 09 e 07.

16/9 (sábado)
» Asproeste, a partir das 9h
» 8h às 14h: Feira do Lago
Oeste, com venda de produtos, feira de troca de sementes e distribuição de mudas do cerrado
» 9h30: Palestra Jardins de Sequeiro com Prof. Júlio Pastore (UnB)
» 10h às 12h: Apresentação do Cantor Rico Rezende (MPB)
» 12h30: Grupo de Folia do Lago Oeste do Sr. Raimundo
» Exposição de quadros do pintor Carlos Alvarez com temas do Cerrado, água, fauna e flora
» Rod. DF 001, às 9h
» Caminhada para recolhimento de Lixo na DF 001 com Grupo Nativa Capoeira, Professor Pacheco e Professor Tide.

*Fonte: José Augusto Limão, estagiário sob a supervisão de Márcia Machado – Correio Braziliense